Portal da Cidade Foz

BNDES

Após corte de Temer, Foz do Iguaçu busca empréstimo para duplicar a BR-469

Em junho, duplicação foi cancelada para bancar o subsídio ao óleo diesel após greve dos caminhoneiros.

Postado em 11/07/2018 às 16:07 | Atualizado em 11/07/2018 às 19:48

(Foto: Christian Rizzi / Gazeta do Povo)

A prefeitura de Foz do Iguaçu foi uma das cidades do estado que teve projetos aprovados no programa Prodetur + Turismo, do Ministério do Turismo. Com isso, as iniciativas do município terão prioridade para a análise no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Dois projetos de Foz, avaliados em R$ 110,58 milhões, foram contemplados: o da revitalização da Avenida das Cataratas e o da duplicação da BR-469, no trecho entre o trevo de acesso à Argentina e o portão de entrada do Parque Nacional do Iguaçu.

A duplicação dos 8,7 quilômetros da BR-469 é um projeto antigo da prefeitura de Foz. A obra seria financiada pelo governo federal mas, no mês passado, foi um dos projetos cancelados pela gestão de Michel Temer (MDB). O corte veio depois que o governo anunciou um subsídio ao óleo diesel, buscando colocar fim à greve dos caminhoneiros.

No Paraná, essa não foi a única obra cancelada pelo governo para cobrir o subsídio. O estado foi o mais afetado pelos cortes federais: foram cancelados R$ 104,1 milhões em investimentos. As informações são da Gazeta do Povo. 

Prioridade para obter recursos

Além de Foz, também tiveram projetos aprovados no Prodetur + Turismo os municípios de Paranaguá e Pontal do Paraná, no Litoral do estado. No primeiro caso, estão previstos R$ 43,7 milhões em investimentos com a recuperação de estradas rurais, o restauro de equipamentos culturais e outras intervenções. Já em Pontal a intenção é investir R$ 23,4 milhões na revitalização da orla.

Com o programa, o objetivo do Ministério do Turismo é facilitar a obtenção dos recursos junto ao BNDES. Como foram selecionados, os projetos terão prioridade para a análise do banco. A decisão sobre o empréstimo, porém, pode levar até seis meses para se concretizar.

Fonte: Portal da Cidade com Gazeta do Povo

Deixe seu comentário