Portal da Cidade Foz

Fronteiras

Ministro da Saúde vai avaliar possíveis barreiras na região da Ponte da Amizade

Prefeitos defendem instalação de barreiras sanitárias nas cidades que fazem fronteira com Paraguai, Argentina, Uruguai e Bolívia.

Postado em 14/06/2021 às 11:39

(Foto: Christian Rizzi/PMFI )

O prefeito Chico Brasileiro terá nesta segunda-feira (14) uma reunião virtual com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para tratar da instalação de barreiras sanitárias na Ponte da Amizade, principal fronteira entre o Brasil e o Paraguai. "Vamos apresentar para o ministro a questão das barreiras, porque as fronteiras são portas de entrada de pessoas e, é claro, de doenças como a covid", disse Chico Brasileiro durante o programa Foz em Ação na Rádio Cultura.

O pleito pelas barreiras não é só de Foz do Iguaçu - é das cidades brasileiras fronteiriças, especialmente as das regiões sul e centro-oeste. "Essa é uma decisão de Brasília e esperamos que seja positiva, porque a questão tem que ser observada de forma especial. Estamos batendo muito nessa tecla, não adianta fechar aeroportos, e as fronteiras não tiverem qualquer tipo de monitoramento ou fiscalização através das barreiras", disse Brasileiro, que é vice-presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos) para as cidades fronteiriças.

A instalação de barreiras foi tratada em reunião da FNP no dia 2 de junho e os prefeitos das cidades fronteiriças pleitearam ao Ministério da Saúde apoio em ações que atendam demandas de testagem, vacinação e vigilância sanitária. Brasileiro afirmou que as cidades estão à disposição para colaborar com a Anvisa e aguardam liberação e apoio financeiro do governo federal para executar essa tarefa.

"Temos papel fundamental no controle da Covid-19 no Brasil, porque nossos municípios são a porta de entrada. Precisamos realmente fazer controle de vigilância e podemos ajudar a frear essa transmissão acelerada, se tivermos um bom controle e uma boa vigilância de fronteira”, disse no encontro.

Vacinas

O prefeito de Foz afirmou que a portaria 654, do governo federal, define uma política para portos, aeroportos e fronteiras, mas que as fronteiras com o Paraguai estão totalmente liberadas. “Precisamos do apoio do governo. Apenas o município não consegue instalar essa barreira em uma área que é federal”, disse.

Além da questão sobre as barreiras sanitárias, o grupo também discutiu a possibilidade na ampliação do número de doses de vacina para as cidades fronteiriças. Isso porque, de acordo com o prefeito Chico Brasileiro, há muitos brasileiros que moram nos países vizinhos. “Na faixa da fronteira de Foz com o Alto Paraná (Paraguai), são 98 mil brasileiros residindo”, disse.

Dessa maneira, o grupo quer que esse público extra esteja previsto nos lotes de distribuição de vacina, “até porque também são usuários do nosso sistema de saúde”, afirmou Brasileiro, defendendo a urgência de doses extras para essas regiões.

Fonte:

Deixe seu comentário

Outras notícias

data-matched-content-ui-type="image_stacked" data-matched-content-rows-num="2" data-matched-content-columns-num="3">

Mais Lidas