Portal da Cidade Foz

gigante

Primeira harpia reproduzida no Refúgio Biológico Bela Vista completa 10 anos

A ave representa o sucesso do Programa de Reprodução de Harpias de Itaipu, o maior do mundo.

Postado em 18/01/2019 às 22:51 |

(Foto: Nilton Rolin)

Ela pesava 80 gramas e cabia com sobra na palma de uma mão aberta quando nasceu, há 10 anos. Hoje, a primeira harpia (Harpia harpyja) reproduzida no Refúgio Biológico Bela Vista (RBV) é um gigante de quase cinco quilos e 90 centímetros de altura. A ave representa o sucesso do Programa de Reprodução de Harpias de Itaipu, o maior do mundo.

Quando nasceu, em 15 de janeiro de 2009, a harpia era o primeiro caso bem-sucedido de reprodução da espécie em cativeiro no Sul do País. De lá pra cá, nasceram outras 31 aves – o último nascimento foi há menos de uma semana, no dia 13 de janeiro de 2019. No total, o plantel de Itaipu é formado por 34 harpias, sendo 24 filhotes nascidos no local. Muitas aves foram doadas para várias instituições parceiras.

“Nosso programa é o único no mundo que mantém uma reprodução continuada da espécie. Em outras instituições, há dois ou três nascimentos, mas não é mantida a reprodução de forma constante”, explica o biólogo da Divisão de Áreas Protegidas da Itaipu Marcos de Oliveira, especialista no manejo de aves de rapina e que está no programa desde o início.

De acordo com ele, atualmente quase 30% de todas as harpias mantidas em cativeiro no País estão no plantel de Itaipu. E das 36 instituições, espalhadas pelas cinco regiões brasileiras, que mantêm harpias em cativeiro, apenas 10 já tiveram resultados de reprodução. Nenhuma com a continuidade e expressividade do programa de Itaipu.

Casal pioneiro

Os esforços de reprodução de harpias na binacional começaram em setembro de 2000, com a chegada da primeira ave no RBV. O macho foi resgatado de uma caixa de papelão, na BR-277, próximo ao Bairro de Três Lagoas, em Foz do Iguaçu (PR). Em março de 2002, chegou a fêmea, resultado de operações contra o tráfico de animais silvestres, em Juazeiro (BA). Ela foi levada ao Zoo de Brasília (DF) e, depois, à Itaipu.

Em julho de 2004, as harpias foram colocadas em recintos próximos para começar a formar o casal. A primeira postura foi em 2006, com outras na sequência. Mas o filhote não vingava porque os pais não o alimentavam. Foi então que a equipe do Programa de Reprodução resolveu mudar o protocolo: retirou o filhote do recinto dos pais e começou a alimentar com pinças, além de mantê-lo em uma incubadora com temperatura e umidade controladas.

“O protocolo de criação em cativeiro é o mesmo desde o início, mas, com o tempo, foi sendo aprimorado”, explica Marcos de Oliveira. Um dos cuidados na alimentação é se esconder atrás de uma cortina para que a ave não associe a figura e a voz humana ao fornecimento de alimento, a partir de algumas semanas de vida, quando a visão melhora. A comida é ministrada cinco vezes ao dia, nas primeiras semanas. Com o passar do tempo, a periodicidade é diminuída e a quantidade de alimentos aumentada.

A técnica deu certo e a reprodução de harpias engrenou. De 2009 pra cá, todo ano tem nascimento – só do casal original foram 22 nascidos. Em 2017, aconteceu o primeiro nascimento de uma harpia cuja mãe também é nascida em cativeiro, feito inédito na América do Sul. Aliás, o filhote pioneiro, aquele de 15 de janeiro de 2009, já é pai de dois filhotes. Ao lado de uma fêmea trazida do Pará, ele forma um dos seis casais reprodutores de harpias do Programa de Reprodução.

Voo alto

Após 10 anos, o Programa de Reprodução de Harpias da Itaipu pode considerar cumprida uma etapa. Atualmente, ele é um fornecedor de espécimes para várias instituições ambientais. E ainda em 2019 vai acontecer a primeira exportação: um casal será doado ao ZooParc Beauval, da cidade de Saint-Aignan, na França.

Embora os esforços em reprodução continuem, o objetivo, agora, é dar o passo adiante para, num futuro próximo, devolver as aves nascidas em cativeiro à natureza. “Já temos animais com idade compatível para entrar em um programa de soltura”, explica Oliveira. “É preciso finalizar o processo, criar um recinto no meio da floresta longe do contato humano, colocar presas vivas para as aves caçarem.”

Segundo ele, as aves precisam estar expostas a situações naturais, como procura de comida ou a proteção da chuva e do sol. O Programa já está em contato com outras instituições para encontrar locais onde seriam feitas estas solturas.  

Outra intenção é a criação de um recinto especial no RBV para dar condições de o casal aprender a alimentar o filhote. 

Seria um passo a mais na intenção de soltura da ave. O casal pioneiro, aqueles que começaram esta história em janeiro de 2009, seria colocado neste recinto especial. Talvez um prêmio após dez anos contribuindo com a preservação da espécie. 

Características

Ave símbolo do Paraná, a harpia é considerada a rapinante mais poderosa do mundo. Ela possui asas largas e redondas, pernas curtas e grossas, e dedos extremamente fortes, com enormes garras, capazes de levantar um carneiro do chão. Sua cabeça é cinza; o papo e a nuca, negros; e o peito, a barriga e a parte de dentro das asas, brancos. A harpia possui como principais características físicas: olhos pequenos, um longo topete, uma crista com duas penas maiores e uma cauda com três faixas cinzentas, que pode medir até 2/3 do comprimento da asa.

Tem entre 50 a 90 centímetros de altura, envergadura de até 2 metros e peso variando entre 4 e 4,5 quilos, quando macho, e entre 6 e 9 quilos, quando fêmea. O talão, como é chamada a unha da ave, pode alcançar 6 centímetros, equivalente à unha de um urso pardo. Esta ave de rapina pode ser encontrada do México à Bolívia, na Argentina e em grande parte do Brasil, vivendo em árvores altas, dentro de vasta mata, onde constrói seus ninhos.

Ela voa alternando rápidas batidas de asa com planeio. Tem um assobio longo e estridente e, nas horas quentes do dia, costuma voar em círculos sobre florestas e campos próximos. Sua alimentação é feita de animais de porte médio, como aves, macacos e preguiças que são capturadas quando tomam sol nas copas das árvores, de manhã cedo.

Fonte:

Deixe seu comentário