Portal da Cidade Foz

cultura

Festival de Circo de Foz do Iguaçu terá espetáculos e oficinas gratuitos

Apresentações circenses gratuitas para a comunidade acontecem em 16 espaços.

Postado em 25/11/2018 às 14:28 |

(Foto: Divulgação)

O fantástico mundo do circo ocupa praças, escolas e entidades de atendimento em Foz do Iguaçu no 2º Festival de Circo Social da Fronteira, a partir desta segunda-feira, de 26 a 29 de novembro. Artistas de seis trupes circenses do Paraná, São Paulo e Santa Catarina, mais convidados do Paraguai e da Argentina, fazem apresentações gratuitas em 16 espaços.

Organizado pelo Núcleo de Circo Fronteira e pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, de incentivos fiscais à cultura, o festival conta com recursos repassados pelo Parque das Aves e tem apoio da Fundação Cultural. O objetivo é democratizar a arte do circo entre a população, com espetáculos, oficinas de formação e roda de conversa.

A programação começa segunda-feira, 26, com um cortejo na Vila Andradina, com concentração às 9h no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS Norte). Em seguida, crianças participantes de oficinas de circo apresentam espetáculo na unidade. À noite, o festival interage com a Batalha de Hip Hop, na pista de skate do Ginásio Costa Cavalcanti.

“A prioridade dos espetáculos são as regiões populares de Foz do Iguaçu, onde muitas crianças, adolescentes e jovens jamais foram ao circo”, explica João Andrade, um dos coordenadores do evento. “A ideia é reviver a magia e o encantamento do circo tradicional, com palhaços, pernas de pau, malabares e números acrobáticos”, completa.

Circo social

Conforme João Andrade, o circo social é uma ferramenta de formação para as artes aliada a uma metodologia que promove a inserção e o protagonismo infantojuvenil. Nesta forma de arte, as construções são coletivas e colaborativas, sendo a cooperação e o incentivo às expressões os principais objetivos.

“No circo social promovemos trocas e interações, onde todo mundo aprende e ensina ao mesmo tempo. Todos somos professores e aprendizes”, frisa Andrade. “A arte circense tem essa capacidade de reencantar, tornar leve o ambiente que antes era pesado, transformar em alegre as vidas tristes”, reflete.

Coletivo de circo

O Núcleo de Circo Fronteira foi criado em 2005 e formalizado em 2010. O grupo desenvolve oficinas de formação em projetos sociais, em parceria com organizações sociais e o poder público. O coletivo é o mantenedor da Troupe Luz da Lua, que faz apresentações permanentes na região das Três Fronteiras e participa de festivais em várias cidades do Brasil.

A trupe foi contemplada com o Prêmio Palhaço Carequinha, da Fundação Nacional da Arte. Em 2016, realizou o 1º Festival de Circo da Fronteira e no ano passado passou a integrar a Rede Circo Mundo Brasil. No país, o colegiado de abrangência internacional reúne 22 instituições. O Núcleo de Circo Fronteira mantém intercâmbio artístico com a Escola de Circo de Londrina.

Programação do 2º Festival de Circo Social da Fronteira:

26 de novembro (segunda-feira)

- Cortejo Vila Andradina

- CRAS Norte

- APAE 2

- ACDD

- Pista Pública de Skate (Ginásio Costa Cavalcanti)

27 de novembro (terça-feira)

- APAE 1

- APASFI

- Praça da Mentira (Vila C)

28 de novembro (quarta-feira)

- Associação Fraternidade Aliança

- Nosso Canto

- Lar dos Velhinhos

29 de novembro (quinta-feira)

- LBV

- Cidade Nova

- CRAS Norte

- Praça da Paz

- Escola Morumbi

- Escola Três Lagoas

- Praça da Bíblia 

Fonte:

Deixe seu comentário