Portal da Cidade Foz

debate

Audiência pública discute instalação de 'free shops' em Foz do Iguaçu

Empresários se posicionaram favoráveis ao funcionamento dos chamados freeshops.

Postado em 25/06/2018 às 23:32 |

(Foto: Divulgação/PMFI)

Representantes do Poder Executivo participaram na manhã de hoje (25) da Audiência Pública sobre a implantação de lojas francas em cidades de fronteira. O evento aconteceu na Câmara de Vereadores e foi proposto pela vereadora Inês Weizemann.

Durante o evento, o vice-prefeito Nilton Bobato; o diretor superintendente do Foztrans, Fernando Maraninchi; a secretária de Governo, Salete Horts, e o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla apresentaram dados a cerca da Lei Municipal 4.459/2016 que trata da implantação e esclareceram dúvidas a cerca do funcionamento. 

Essas lojas (ou freeshops), que antes ficavam apenas em aeroportos internacionais, agora poderão ser instaladas em 32 cidades de fronteira, comercializando mercadorias nacionais ou estrangeiras. Todas as regas, tanto para empresários quanto para consumidores, bem como a logística de funcionamento, a segurança, os impostos e as áreas de instalação foram debatidas durante a audiência, que contou com a presença de membros do Codefoz, Acifi, Observatório Social, Receita Federal e Sindilojas, além de empresários e vereadores. 

Para o vice-prefeito Nilton Bobato, presidente do Grupo Técnico de estudos sobre as lojas francas, o município tem cumprindo sua função, de ouvir a comunidade e esclarecer todas as dúvidas do pequeno e grande empresário. “O papel do Poder Executivo é ouvir quem tem opinião a dar. São duvidas que vão sendo esclarecidas a cada debate e quanto mais eles ocorrerem, mais necessários serão. No mês de julho pretendemos esgotar os debates e tomar a decisão com a serenidade merecida”, disse. 

Fernando Maraninchi lembrou que das 32 cidades gêmeas de fronteira habilitadas para receber as lojas francas, Foz do Iguaçu é a maior delas. “Esperamos atrair mais turistas e compradores à cidade, dando um grande salto no desenvolvimento. A expectativa é muito boa e temos que aproveitar a oportunidade, sempre ouvindo todas as entidades”, ressaltou. 

A Secretária de Governo Salete Horst reiterou a parceria do município com o empresariado. “O mais importante é ouvir a todos, pois se os empresários estão se posicionando favoráveis a instalação, isso tem que ser ouvido”.  

O secretário de Turismo, Gilmar Piolla também se posicionou favorável à implantação das lojas francas. Ele afirma que para o setor turístico, o avanço será sentido em pouco tempo. “Tudo leva a crer que esse processo seja irreversível. Tenho certeza que para o turismo vai ser muito benéfico, consolidando Foz como um dos principais destinos de compras da América do Sul e do mundo”, disse. 

Presidente do Codefoz, Mario Camargo abordou assuntos como a carga tributária e os reflexos da implantação das lojas francas para o pequeno empresário. “Já somos o destino turístico e de compras, e temos que ter consciência de fazer a coisa certa para não prejudicar o comércio formal que paga tributos. Com certeza, vender produtos com impostos e sem impostos desestabiliza a economia. Não somos contra os freeshops, mas não queremos privilegiar ninguém. Podemos acabar com muitas empresas estabelecidas”, pontuou. 

GT

O Grupo Técnico da Prefeitura que estuda a implantação das lojas francas é composto pelo vice-prefeito, Nilton Bobato (presidente); o secretário de Planejamento, Elsídio Cavalcante; a secretária de Governo, Salete Aparecida Horst; o secretário de Turismo, Industria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla; o diretor superintendente do Foztrans, Fernando Maraninchi e o economista José Borges Bonfim. 

Fonte:

Deixe seu comentário