Portal da Cidade Foz

Eleições 2020

Sidnei Prestes planeja reduzir a dez secretarias na prefeitura, caso seja eleito

O candidato do Republicanos, da Coligação Foz Com Novas Ideias, é o oitavo entrevistado da série promovida pelo Portal da Cidade.

Postado em 15/10/2020 às 14:08 |

(Foto: Portal da Cidade)

0:00
0:00

Nascido em Cascavel, Sidnei Prestes mora há 40 anos em Foz do Iguaçu. Veio para a fronteira com 1 ano de idade. Embora tenha sido secretário em outras gestões, especialmente durante o governo de Paulo Mac Donald, é a primeira vez que concorre ao cargo de prefeito da cidade. Também ocupou lugar em uma das diretorias da Itaipu Binacional. Terá como principal ação nos primeiros dias de governo, caso seja eleito no dia 15 de novembro, o enxugamento da máquina pública. Pretende reduzir o número de secretarias para dez (atualmente são mais de 20).

O candidato do Partido Republicanos tem como candidato a vice o Pastor Murça, do PSL. Os partidos Democracia Cristã e PMN também integram a Coligação Foz Com Novas Ideias. Sidnei Prestes é o oitavo entrevistado da série promovida pelo Portal da Cidade. Leia os principais trechos da entrevista e ouça o áudio completo abaixo.

Por que concorrer às eleições e por que  se considera capacitado para administrar Foz do Iguaçu?

Além de advogado eu sou um gestor público, um administrador. De 2005 pra cá fui convidado por todos os prefeitos para assumir áreas técnicas, secretarias técnicas no município de Foz do Iguaçu. Fiquei por oito anos no governo do ex-prefeito Paulo, nos últimos meses estive na diretoria da Itaipu, a maior usina em geração de energia do mundo. E é isso que vamos fazer na prefeitura de Foz do Iguaçu, gestão. Séria, comprometida e honesta. Porque recursos nós temos, a cidade é muito grande, é uma das mais ricas do Paraná. Mas, infelizmente por má gestão e incompetência e, isso que vou dizer agora não sou eu que estou dizendo, mas a Polícia Civil e Ministério Público, também por atos de corrupção que estão sendo investigados.

Quais suas propostas para Foz do Iguaçu não ser tão dependente economicamente dos setores de turismo e eventos?
Olha, o turismo é muito importante, a nossa vocação é o turismo. Mas nós não podemos ficar na dependência de apenas um setor econômico. Nós temos setores, que nunca antes na história de Foz do Iguaçu foram incentivados. Por exemplo a agricultura, nossos produtores rurais. Cascavel é um exemplo claro de onde a agricultura vai bem, mas há um incentivo, tanto do governo do Estado, quanto do município para que aquilo vá bem. A nossa fruta e verdura ela é importada, ela vem de Curitiba e de São Paulo e chega aqui pro consumidor mais cara, porque tem o frete para chegar até aqui. Nós queremos dar uma atenção à agricultura, temos aqui áreas importantes, não são grandes, mas temos produtores rurais que estão aí a mercê. Estão fazendo asfalto de última hora em algumas regiões agrícolas da cidade, mas nós precisamos mais. Precisamos trazer os produtores para perto do município, da gestão pública. Hoje tem um trator de responsabilidade do município que está há três anos quebrado, não funciona. E nós queremos que a agricultura de Foz do Iguaçu seja forte e pujante, para gerar emprego, gerar riquezas e outras fontes de renda.

Nós também temos áreas belíssimas aqui em Foz do Iguaçu que não são aproveitadas para o turismo rural. Se você quer se hospedar hoje num hotel fazenda, em Foz do Iguaçu não tem. Você tem que viajar para outros lugares. Nós temos grandes áreas bonitas que podem ser usadas ao turismo rural e vamos incentivar os empresários a promover.

Nós também temos o nosso distrito industrial abandonado. Há muito tempo aquilo lá não vem funcionando como era para ser quando foi criado. E nós temos a intenção de incentivar, primeiramente o nosso empresário, as pessoas que querem se desenvolver em Foz do Iguaçu no Distrito Industrial. Nós temos áreas lá que a pessoa até consegue comprar o terreno, só que ainda não tem dois milhões de reais para construir o barracão, comprar o maquinário e para iniciar os trabalhos. Nós vamos diminuir o tamanho do terreno e através do Patronato, nós vamos construir os barracões. Nós vamos criar uma linha de crédito para que aquela pessoa de Foz que queira ampliar seu negócio ou até abrir um novo, com um projeto orientado pelos engenheiros ou arquitetos que trabalham no município. Então oferece o barracão a dez, 15 anos a título de comodato e a pessoa que já está gerando riqueza, emprego pra cidade, ela pode começar a pagar em suaves prestações. O que não dá para deixar é do jeito que está. Uma área belíssima, que quando foi planejada em 2005 era para ser uma área desenvolvida e infelizmente está ao relento e abandonada.

Transporte Coletivo
Nós vamos analisar esse contrato. Sei que foi uma amarração muito bem feita. Mas se for necessário, vamos bater às portas do poder judiciário para anular esse contrato ou rever algumas cláusulas. Esse contrato do Consórcio Sorriso só foi bom para os empresários, a população não está sendo beneficiada. Eu como advogado, junto com advogados do município vamos buscar meios de mexer nesse contrato, ou até mesmo anulá-lo. Do jeito que está não dá.

Propostas da Saúde
Saúde precisa ser gerida por quem entende de saúde. A nossa gestão quem vai cuidar da saúde são os profissionais da saúde. Médico ou até mesmo uma enfermeira ou enfermeiro. Mas não basta ser só profissionais da saúde, é preciso ter um perfil de administrador, de gestor. E para isso vamos chamar a CRM, os conselhos de médicos e escolher dentre os melhores para administrar a saúde de Foz. Não podemos brincar com a saúde. Os atos de corrupção que foram escancarados tempos atrás é um crime bárbaro. Porque quando rouba da saúde, rouba vidas. Pessoas morrem em razão desses recursos tirados da saúde. Queremos fazer uma gestão planejada, organizada, eficiente. Não para aceitar uma fila hoje de 30 mil pessoas esperando por um exame com médicos especialistas. É inaceitável. E queremos zerar essa fila nos primeiros seis meses fazendo um mutirão, contratando mais médicos e pagando a consulta. Em torno de cem reais é o que um médico especialista ganha do SUS para fazer uma consulta. Nós vamos pagar 200. Com seis milhões de reais você resolve o problema da fila.

E aí queremos fazer uma parceria forte com o Hospital Costa Cavalcanti, onde ao lado dele temos o Centro Clínico, uma estrutura belíssima, cerca de 40 consultórios médicos, tudo pronto. Só que  lá pelas 18h, ou 18h30 eles fecham. E na minha gestão vamos alugar aquele espaço, das 18h até a meia-noite e vamos colocar médicos especialistas para atender a população e não deixar acontecer essas filas mirabolantes que acontecem hoje.

Propostas de Cultura e Esportes
Um teatro municipal já passou da hora de Foz do Iguaçu ter. Dizem que será um elefante branco, que ficará abandonado, que é uma estrutura muito grande, que depois ficará ao relento sem ser utilizado, pelo contrário. Vamos fazer uma estrutura para cultura, um teatro bem feito que será utilizado em diversos setores. Nós podemos trazer várias atividades para Foz do Iguaçu. Queremos sim construir um teatro municipal em Foz do Iguaçu. Cidades como Toledo e Cascavel tem belíssimos teatros. A Cultura vai ser feita por quem entende de Cultura. A Fundação Cultural nós vamos rever muitas coisas. Não dá para uma fundação ficar gastando dinheiro o ano inteiro para fazer dois ou três eventos como carnaval, natal e Feira do Livro. Nós precisamos ter um calendário sério da cultura. E hoje a gente vê que aquilo lá está muito ideológico, muito voltado à esquerda e a Cultura tem que ser para todos.

Nós pretendemos, de repente, fazer uma união entre Educação, Cultura e Esporte. Porque eu vejo que essas áreas andam juntas. E eu vejo que o Esporte em Foz do Iguaçu é uma área que não há muitos investimentos. Nós tínhamos a Olimpíada do Saber em parceria com a Educação e Esportes e acabou, mas nós vamos retomar isso. Acho que é muito importante para as nossas crianças ter esse tipo de atividade. E apesar da secretaria ser comandada por alguém que entenda da área, não tem incentivo do prefeito para melhorar a pasta. Temos o maior campeonato de futebol veteranos do país e nossos campos abandonados. Duas ou três arenas que foram reformadas recentemente, em razão do período eleitoral, mas as demais estão desleixadas. Temos que investir no esporte, esporte é saúde, esporte previne  doença e a fila na saúde. Vai ser visto com muito critério

Centro de Convenções
Queremos fazer um calendário para que ele funcione. Uma feira por mês. Queremos trazer países para expor o que eles têm de belo no turismo. Queremos deixar um espaço no Centro de Convenções para uma exposição fixa. Ter atividade o ano inteiro. Não dá para um espaço daquele tamanho ficar parado. Ali tem um custo alto e infelizmente é um equipamento que está ultrapassado e se não buscar eventos, aquilo gera uma despesa muito grande que sai do bolso do contribuinte. Tivemos recentemente shows do Roberto Carlos, festival sertanejo, algumas formaturas que ajudavam no custeio. Só  que nos últimos anos, especialmente na atual gestão, aquilo só está gerando despesa. Está ao relento, abandonado e com a pandemia sem poder receber eventos, mas segue com os diretores de salários altíssimos.

Educação
A Educação é algo que está funcionando no município não por causa do prefeito, mas pelos professores. Tenho relatos de pais e mães que estão muito contentes com o desempenho dos filhos nos CMEIs, nas creches e escola municipal. O que tem que melhorar é aumentar o número de vagas, ter creches e CMEIs em tempo integral, já passou da hora. E após a pandemia não poderemos mais deixar salas com 35 ou 40 alunos, vamos ter que construir mais escolas e mais creches, contratar mais professores, pedagogo e isso que vai ser feito na nossa gestão. Queremos reativar o centro de convivência escola-bairro. Era um projeto muito interessante e que eu gostava muito quando funcionava. Hoje temos apenas o prédio e as atividades que havia lá, não se tem mais hoje. Vamos fazer da escola o centro da comunidade. Nos finais de semana a escola ficar aberta para os pais virem com seus filhos fazer atividades no sábado e domingo.

Meio Ambiente
Para você cortar uma árvore hoje você assina um protocolo de papel solicitando o corte e depois deixa lá e você não tem mais informação de quando vai ser cortado ou não. Cidades vizinhas mais avançadas tecnologicamente, você entra no aplicativo da prefeitura e faz o protocolo e acompanha o andamento por lá. Estamos atrasados com essa tecnologia. E vamos fazer um grande enxugamento da máquina pública. Queremos reduzir para dez secretarias, no máximo. Mas, secretarias que trabalhem e sejam eficiente. E reduzir também o dinheiro, o desperdício. Vinte e três secretários recebendo salários, mais os encargos dá muito dinheiro. São quase 300 cargos comissionados na prefeitura de Foz do Iguaçu, que a gente não sabe o que faz. Queremos reduzir para 50 cargos comissionados, no máximo. Precisamos fazer gestão séria.

Segurança Pública
A Guarda Municipal está defasada. Não há concurso, salvo engano, há 16 anos. Nossos valentes guardas envelheceram. É fato que precisamos fazer um concurso público. Mas, primeiro precisamos viabilizar o plano de carreira dos nossos guardas que reclamam muito que não atende a necessidade deles. Hoje se gasta 50 milhões anuais com a segurança pública e a guarda municipal. Precisamos resolver hoje os problemas que lá existem e fazer com que a nossa GM possa ser um elemento de polícia municipal. Dizem que a GM é para cuidar do patrimônio público, escolas, praças, etc. Eu concordo, mas o maior patrimônio de uma cidade são as pessoas. No nosso governo a polícia municipal vai cuidar de tudo isso e da nossa segurança, atuando em conjunto com as outras forças de segurança, auxiliando e contribuindo. O turista também precisa se sentir seguro.

Quais as primeiras medidas, caso seja eleito?
Enxugar a máquina pública, cortar os cabidões de emprego que existem hoje. Primeira secretaria a ser cortada será a de Direitos Humanos que vai virar um departamento. Hoje essa secretaria só existe porque é ocupada pela primeira-dama, a esposa do prefeito com salário de 15, 20 mil reais e mais um monte de assessores que a gente não sabe o que faz. E revisar todos os contratos que estão vigentes. Vamos fazer uma grande força-tarefa para revisar o que está certo e o que está errado. E vamos estancar a corrupção, nosso governo vai ser transparente, sério, honesto, muito eficiente, além de moderno. Um governo conectado com o futuro.

Ouça a entrevista completa:


Fonte:

Deixe seu comentário

Mais Lidas