Portal da Cidade Foz

Região

Prefeito assina acordo para acabar com manifestações em Cidade do Leste

O documento visa evitar manifestações no centro da cidade, uma vez que afetam o movimento comercial.

Postado em 21/08/2019 às 18:25 |

(Foto: Divulgação / PMCDE)

O prefeito de Cidade do Leste, Miguel Prieto, representantes dos setores sociais, políticos e comerciais, autoridades do Poder Judiciário, Ministério Público, Polícia Nacional e outras instituições do Estado, assinaram nesta terça-feira (20), um certificado de compromisso. O documento propõe um acordo que visa evitar manifestações no centro, uma vez que afetam o movimento comercial. Foi relatado que nos últimos protestos, os organizadores forçaram o fechamento das lojas.

Durante a reunião realizada na sede da Câmara de Comércio e Serviços, Prieto disse que o acordo responde a uma reivindicação social. "Como prefeito, tenho que ouvir as reivindicações de todos, aqui estão muitos sindicatos organizados que pedem paz e que podem para trabalhar acima de tudo. Enquanto eu sou a favor de protestos e demandas sociais, mas isso não tem que restringir os direitos de outras pessoas que querem trabalhar livremente ”, acrescentou.

Ele disse que concorda com as demandas das pessoas, mas disse que as manifestações devem ser pacíficas sem violar os direitos de outras pessoas. “Obviamente, as manifestações podem ser realizadas livremente, mas os manifestantes não podem obrigar a fechar as lojas ou agir violentamente em uma área turística, que alimenta mais de cem mil pessoas. Isso gera um dano gigante e prejudica principalmente a imagem da cidade ”, acrescentou.

O chefe da comunidade disse que com a assinatura do ato de compromisso, a Polícia Nacional será apoiada para dissipar os manifestantes cedo. “Esperamos que as pessoas que querem demonstrar respeitar a vontade da maioria, independentemente da ideologia ou partido que tenham. Estou convencido de que hoje a maioria exige ser capaz de trabalhar em paz, quero esclarecer que ninguém proíbe que alguém se manifeste, o que pedimos é que eles se manifestem, mas em um lugar que não afete os direitos dos outros ”, disse ele.

Fonte:

Deixe seu comentário