Portal da Cidade Foz

cidade

CFO quer regras claras sobre livre atuação de cirurgiões dentistas no Mercosul

Tema foi destaque do II Fórum de Odontologia do Mercosul em Foz do Iguaçu.

Postado em 25/11/2018 às 15:35 |

(Foto: Wilson Ruanis/CFO/Divulgação )

Revalidação de diplomas, exercício profissional tanto no Brasil como nos países vizinhos e a necessidade de matriz mínima para a definição de parâmetros que regem a atuação na saúde no âmbito do Mercado Comum do Sul foram os destaques do II Fórum de Odontologia do Mercosul em Foz do Iguaçu, cidade que engloba a tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Ao abrir o evento na última quinta-feira (22), o presidente do Conselho Federal de Odontologia (CFO), Juliano do Vale, que promoveu o encontro, destacou a necessidade de se implementar regras claras sobre o trânsito e a atividade dos profissionais da odontologia nos países que formam o bloco. “Precisamos deixar claro os critérios sobre a revalidação do diploma. É fundamental que tenhamos bem definidas as regras para que os cirurgiões dentistas brasileiros atuem nos outros países e que possamos receber os profissionais das outras nações”, destacou Juliano do Vale.

Ao se referir ao Tratado de Assunção, que tem objetivo de permitir a livre circulação de profissionais, Juliano do Vale reforçou a defesa da Matriz Mínima como forma do controle do fluxo de profissionais, troca de informações entre os governos e  controle sobre o exercício ilegal da profissão. “O tratado, entretanto, não engloba os profissionais da saúde. Isso está sendo construído. Por isso, a importância da discussão desse aspecto. Queremos a matriz que vai embasar a base da formação e os critérios que vão definir como os brasileiros poderão atuar fora e os estrangeiros aqui no Brasil”, complementou.

Para contribuir com o debate, o CFO trouxe para o evento membros dos ministérios da Saúde e Educação, profissionais da odontologia e conselheiros de Estados que fazem divisa com outros países. Na abertura do evento, dois membros do Ministério da Saúde detalharam a questão na palestra “Matriz mínima de trabalho em saúde”. Rafael Vaz Lopes, coordenador geral do Departamento de Regulação do Trabalho em Saúde da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, e Arthur de Oliveira e Oliveira, consultor técnico apresentaram plataformas em desenvolvimento para dar agilidade à tramitação do processo de revalidação de diploma.

Outro momento importante sobre o tema foi a palestra da consultora especialista na área de Tecnologia da Informação Eliane Feres, que é coordenadora da Plataforma Carolina Bori, o Sistema de Revalidação e Reconhecimento de Diplomas Estrangeiros do Ministério da Educação. Na palestra “Revalidação e Reconhecimento de Diplomas Estrangeiros no Brasil”, ela explicou como é feita a revalidação, informou prazos e discutiu detalhes sobre documentos necessários e até os trâmites necessários.

O primeiro dia do fórum foi fechado com a palestra “Estágio atual do Mercosul e validação de diplomas nos demais países membros”, proferida por Gabrielle Kölling, professora do Mestrado em Saúde Ambiental e do Mestrado em Administração e Governança do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas -FMU-SP e da Escola de Direito da Universidade Municipal de São Caetano do Sul -USCS. Ela traçou um parâmetro detalhado sobre as diferenças nas normas e atuação de autarquias que regem as profissões nos países vizinhos.

Fonte:

Deixe seu comentário

Mais Lidas